June 28th

tumblr_l3k88j48wa1qbszwio1_500 tumblr_l99g07YaRl1qck83ho1_500tumblr_ljpu7l43WS1qfzhkko1_500 tumblr_ljtn6pF5df1qc38zjo1_500_large tumblr_lnd21txXxp1qho75xo1_500 tumblr_m3xb4ocrGC1qi50zso1_500 tumblr_m7hbeyVNzE1rwtmq5o1_500_largetumblr_static_tumblr_ll05w02vzi1qg3p11o1_500

Anúncios

Só Hoje

Imagem

Há exatos 365 dias, eu imaginava hoje ainda poder te abraçar e lhe devolver um sorriso. Infelizmente as coisas não aconteceram exatamente como eu esperava. “Hoje, preciso de você, com qualquer humor, com qualquer sorriso. Hoje, só tua presença, vai me deixar feliz… Só hoje!”
Há exatos 12 meses, eu ouvia você suspirar e dizer que eu sou o causador da tua insônia, da sua tristeza. O amor estava presente, as lágrimas começaram a escorrer pelos seus olhos. E eu te abracei e não permiti que fosse um abraço tão demorado, já que eu sabia que seria quase impossível me desgrudar de você se ficássemos ali por mais alguns segundos. 
Se você me fez sentir alegria, se eu fiz algo de errado, se você não quis mais, serão apenas lembranças. Só hoje posso perceber o quão abstrata é nossa distância. Sendo assim, “Hoje eu preciso ouvir qualquer palavra tua, qualquer frase exagerada que me faça sentir alegria em estar vivo…”. 
Há exato 1 ano eu preciso de você, com qualquer humor, com qualquer sorriso. “Hoje eu preciso te encontrar de qualquer jeito, nem que seja só pra te levar pra casa depois de um dia normal. Olhar teus olhos de promessas fáceis e te beijar a boca de um jeito que te faça rir, que te faça rir. Hoje eu preciso te abraçar, sentir teu cheiro de roupa limpa, pra esquecer os meus anseios e dormir em paz.”
Se eu contei os dias pra você voltar e você não voltou, se eu te esperei sentada na esperança de que nos próximos minutos você chegasse, hoje eu não conto mais, não vou esperar, porque hoje eu preciso de você.

Andorinhas do seu olhar

Eu estava do lado da janela sentada olhando através dos vidros escuros as andorinhas voando ansiosas e desorientadas e de repente, o som arranhado que o giz fazia no quadro me levou de volta às explicações incoerentes que só embaralhavam ainda mais os meus pensamentos. Os números se transformavam em novas andorinhas ainda ansiosas e desorientadas. Mas dessa vez eu estava entregue às lembranças. Ele não gostava que eu me sentasse sozinha, inquieta e pensativa. Me mostre seu sorriso! Mas dessa vez eu estava ali sentada sozinha, inquieta e pensativa e ele viu e não falou nada.

Ele queria que eu fosse até ele, mas eu falei que não. Sabia que ele queria que eu fosse até ele. Mas insisti a mim mesma que não. Ele sorriu desviando seu rosto e eu também sorri. E então ele queria me olhar mais uma vez e saiu dos pensamentos, voltou à aula. Eu estava sozinha, inquieta e ele não falou nada.

Enxerguei-o conversando com a outra que apenas balançou a cabeça e agora eles estavam rindo juntos, assim, um do outro. As andorinhas voando lá fora.

Eu estava olhando para as tantas andorinhas. Nós agíamos como duas, ansiosas e desorientadas.

Vendo minha distração, a professora que também parecida desorientada aos meus olhos, pediu a mim que lesse os dois últimos períodos de um texto que nem eu nem ele acompanhávamos, tenho certeza.

“Você não pode calcular o tanto que eu gosto de você. Eu gosto demais de você, demais, demais.”

Fechei os olhos, respirei fundo e olhei novamente em sua direção. Nada de olhares. Ele me respondeu com um sorriso e lá estava eu a me perder novamente com as andorinhas voando ansiosas e desorientadas.

Romeo & Juliet

“Quem é aquela dama, que dá a mão ao cavalheiro agora? Ah, ela ensina as luzes a brilhar! Parece pender da face da noite como um brinco precioso da orelha de um etíope! Ela é bela demais pra ser amada e pura demais pra esse mundo! Como uma pomba branca entre corvos, ela surge em meio às amigas. Ao final da dança, tentarei tocar sua mão, pra assim purificar a minha. Meu coração amou até agora? Não, juram meus olhos. Até esta noite eu não conhecia a verdadeira beleza.”

Romeo e Julieta

A Caveira é um símbolo antigo para representar a mudança. Mais especificamente, uma grande mudança na vida, associada com a morte, que é a maior mudança de todas. A caveira significa transformação, novo ciclo. Em algumas culturas também significa poder, força ou um símbolo de invencibilidade ou perigo. Mostra que todos somos iguais por dentro, não temos cor, sexo, classe social ou preferências.

Vendo o vídeo me lembrei de um desenho que fiz baseado em uma imagem que encontrei. O desenho representa o amor entre os pássaros e por isso, adicionei à imagem um coração preto e branco. 

179677_378949982202344_1355260083_n

Décadas da minha vida

tumblr_meihajjsy11qitda4

Já sou um homem experiente, confesso. Tenho mulher, dois filhos e muita felicidade para morar no meu coração. 
Hoje completo cinquenta primaveras e junto a elas me veio a esperança de um dia poder voltar no passado e reviver as flores que me fizeram ser o homem que sou. Enquanto não encontro maneira de voltar no tempo, vou sempre lembrar e vive-los assim, no pensamento. A lembrança agora voltou para me buscar, uma estranha forma de entender o tempo. Foi então um tão primoroso dia que trouxe à minha família o Tempo em forma e cor. Florido e perfumado era ele, girava e passava por nós como uma leve brisa. Veio comemorar a chegada da década tão bonita que se instalou nos olhos de uma menina ainda ingênua e colorida. A vimos aprender a alcançar desejos, a realizar. O dia foi de tal alegria que marcou na memória como nenhum outro dia. 
Tê-la sorrindo para o mundo e começando a realmente perceber em que consiste a vida é algo indescritível.
Sentados no sofá da sala, entregamos a ela um relógio. A interação com o mundo exige responsabilidade e crítica, exige o tempo. Seus ponteiros ainda estáticos pediam ao tempo para que os trouxesse à vida.  
Um relógio então, descansa na mesa de quarto de uma menina crescida, já mulher, na qual viveu e se fez viver a passagem do tempo, a década que transformou a infância para o que chamamos de viver. Seus cabelos tornaram-se grisalhos, seus cachos perdidos pelo resto dos fios. O que não perdeu a vida foram seus olhos que ainda brilham como rubis. Ali dentro ainda existia a alma e a mágica de viver com o tempo.  
Como eu queria ainda viver! 

COMO SE FORA UM CORAÇÃO POSTIÇO

Rubem Braga

tumblr_m1806plytZ1qhx1b5o1_500
Nasceu, na doce Budapeste, um menino com o coração fora do peito. Porém – diz um Dr. Mereje – não foi o primeiro. Em São Paulo, há sete anos, nasceu também uma criança assim. “Tinha o coração fora do peito, como se fora um coração postiço.”

Como se fora um coração postiço… O menino paulista viveu quatro horas. Vamos supor que tenha nascido às cinco horas. Cinco horas! Cinco horas! Um meu amigo, por nome Carlos, diria:

-… a hora em que os bares fecham e todas as vitudes se negam….

Madrugada paulista. Boceja na rua o último cidadão que passou a noite inteira fazendo esforço para ser boêmio. Há uma esperança de bonde em todos os postes. Os sinais das esquinas – vermelhos, amarelos, verdes – verdes, amarelos, vermelhos, borram o ar de amarelo, de verde, de vermelho. Os olhos inquietos da madrugada. Frio. Um homem qualquer, parado por acaso no Viaduto do Chá, contempla lá embaixo umas pobres árvores que ninguém jamais nunca contemplou. Humildes pés de manacá, lá embaixo. Pouquinhas flores roxas e brancas. Humildes manacás, em fila, pequenos, tristes, artificiais. As esquinas piscam. O olho vermelho do sinal sonolento, tonto na cerração, pede um poema que ninguém faz. Apitos lá longe. Passam homens de cara lavada, pobres, com embrulhos de jornais debaixo do braço. Esta velha mulher que vai andando pensa em outras madrugadas. Nasceu, em uma casa distante, em um subúrbio adormecido, um menino com o coração fora do peito. Ainda é noite dentro do quarto fechado, abafado, com a lâmpada acesa, gente suada. Menino do coração fora do peito, você devia vir cá fora receber o beijo da madrugada.

Seis horas. O coração fora do peito bae docemente. Sete horas – o coração bate… Oito horas – que sol claro, que barulho na rua! – o coração bate…

Nove horas – morreu o menino do coração fora do peito. Fez bem em morrer, menino. O Dr. Mereje resmunga: “Filho de pais alcoólatras e sifilíticos…” Deixe falar o Dr. Mereje. Ele é um médico, você é o menino do coração fora do peito. Está morto. Os “pais alcoólatras e sifilíticos” fazem o enterro banal do anjinho suburbano. Mas que anjinho engraçado! – diz Nossa Senhora da Penha. O anjinho está no céu. Está no limbo, com o coração fora do peito. Os outros anjinhos olham espantados. O que é isso, seu paulista? Mas o menino do coração fora do peito está se rindo. Não responde nada. Podia contar a sua história: “o Dr. Mereje disse que…” – mas não conta. Está rindo, mas está triste. Os anjinhos todos querem saber. Então o menino diz:

– Ora, pinhões! Eu nasci com o coração fora do peito. Queria que ele batesse ao ar livre, ao sol, à chuva. Queria que ele batesse livre, bem na vista de toda a gente, dos homens, das moças. Queria que ele vivesse à luz, ao vento, que batesse a descoberto, fora da prisão, da escuridão do peito. Que batesse como uma rosa que o vento balança…

Os anjinhos todos do limbo perguntaram:

– Mas então, paulistinha do coração fora do peito, pra que é que você foi morrer?

O anjinho respondeu:

– Eu vi que não tinha jeito. Lá embaixo todo mundo carrega o coração dentro do peito. Bem escondido, no escuro, com paletó, colete, camisa, pele, ossos, carne cobrindo. O coração trabalha sem ninguém ver. Se ele ficar fora do peito é logo ferido e morto, não tem defesa.

Os anjinhos todos do limbo estavam com os olhos espantados. O paulistinha foi falando:

– E às vezes, minha gente, tem paletó, colete, camisa, pele, ossos, carne, e no fim disso tudo, lá no fundo do peito, no escuro, não tem nada, não tem coração nenhum. E quando eu nasci, o Dr. Mereje olhou meu coração livre, batendo, feito uma rosa que balança ao vento, e disse, sem saber o que dizia: “parece um coração postiço”. Os homens todos, minha gente, são assim como o Dr. Mereje.

Os anjinhos estavam cada vez mais espantados. Pouco depois começaram a brincar de bandido e mocinho de cinema e aí, foi, acabou a história. Porém o menino estava aborrecido, foi dormir. Até agora, ele está dormindo. Deixa o anjinho dormir sono sossegado, Dr. Mereje!

Ponto final

As horas passam e com o passar das horas eu sei onde você deve estar. Não sei o que está fazendo, no que está pensando nem com quem está conversando. E com o passar das horas percebo também que não é o suficiente. Mereço mais do que isso. Já abri todas as cartas que você teria de ter recebido. Ainda não coloquei os pontos finais e os parênteses que faltam para lhe explicar alguns poucos detalhes que deixou aqui comigo. Pra mim chega de cartas, eu quero abraços. E por mais que eu não saiba a continuação dessa história mais sem conteúdo eu continuo tentando planejar. 

As minhas cartas podem esclarecer alguns questionamentos, algumas noites sem dormir, mas não podem me trazer suas palavras. Elas são minhas e ponto final. E acaba aí. Mas eu quero mais, eu quero reticências. Eu quero brincar com você como eu brinco com as palavras, quero sentir o cheiro do seu perfume na folha em branco. Preciso de você pra continuar. Você pode até me dizer adeus mais uma vez, mas não existe adeus que nos torne distante, pelo menos não agora. Nos veremos em breve, em uma segunda-feira de manhã.

Inspiração:

“Não faço idéia de onde está no mundo. Mas sei que perdi o direito de saber há muito tempo. Não importa quantos anos se passem, sei que uma coisa continuará verdadeira como sempre: nos vemos em breve.”

Dear John