Recado

Você sempre foi meu lembrete, um outro tipo de Post-it, um incentivo. Todos os dias você está colado no meu espelho, na minha geladeira, no armário, na TV e é impossível esquecer das emoções que você insiste em me lembrar. O primeiro lembrete ao acordar, bem em frente da minha cama era aquele no qual eu mais temia. O da TV, um outro de mera importância. No espelho você aparecia como almas vivas em filmes de terror. Era mais um trauma da minha vida, mas nada estragaria um dia tão especial, meu aniversário.

Abri os olhos, me levantei e calcei os pés errados da pantufa mais confortável do universo, a minha. Me dirigi até banheiro e me encarei no espelho, apoiando os cotovelos sobre o mármore manchado da pia. Quase que tropeço no tapete, mas me recuperando do susto tiro minha camisola de bolinhas, desfaço meu coque de todos os dias e só quando encosto na água gelada do meu banho matinal é que finalmente percebo a melatonina que fazia meus olhos piscarem desesperadamente dando adeus as pernas bambas.

Ao som de Elvis Presley vindo do vizinho da frente, meu banho se torna quase que um show ao vivo. Molhando todo o piso frio de um banheiro americano, vou escolhendo a porta pela qual irei sair. Na verdade, quem me escolhe é a música que vem do quarto de estudos. De Elvis passo para uma música pop animada, na qual eu não conheço e tudo volta a me perturbar, quer dizer, você começa a me perturbar, ou melhor você é tudo.

Mas eu continuo jurando que nada irá me atrapalhar de ser feliz. Visto meu presente de natal, – calça de linho de boca larga, e blusa de seda preta – e não espero para passar meu blush pêssego predileto, o  melhor amigo dos dias que prometem.

Nem acreditava ter tido coragem de te convidar para me encontrar a noite, junto a alguns outros amigos meus e seus de certa forma. Isso eu pensava enquanto penteava meu cabelo embaraçado pelo coque.

De tarde, todos os assuntos me lembravam você. Conversar com quem eu mantenho segredos e momentos especiais faz certas pessoas migrarem para os meus pensamentos. Risadas e sorrisos também nos ligavam de alguma forma. Parecíamos tentar manter contato por telepatia, mas acho que não estava dando muito certo. Você então me aparece no meio da noite. Ah claro, como fui esquecer? Fui eu quem te convidou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s